Lançamento de livros

Saiba quais obras serão lançadas na Compós 2014. O lançamento é dia 28 de maio, às 18h, no hall de entrada do Centro de Eventos Benedito Nunes, na UFPA.

 

Publicações Compós

 

Avanços em Teorias da Comunicação no Brasil (Livro COMPÓS 2014)
Organizadores: Alessandra Aldé, Irene Machado, Murilo Ramos, Vera Veiga França
Editora: EDUFBA
Ano: 2014

A pesquisa em comunicação no Brasil recebeu, nos últimos anos, um forte e inegável incremento. Sobretudo no âmbito dos Programas de Pós-Graduação, a produção acadêmica dos professores, o grande número de teses e dissertações defendidas anualmente tem resultado em contribuições muito significativas para a compreensão de nossa realidade comunicativa. Grande parte desta produção diz respeito a estudos de caso; tais estudos, no entanto, ao refletir sobre diferentes objetos, ao acionar conceitos e se apoiar em teorias distintas, certamente estão também configurando e reconfigurando a teia analítica disponível. Cabe perguntarmos, qual é o lugar da teoria e o aporte teórico trazido pelos estudos comunicacionais? Que novas ideias impulsionam o pensamento sobre nossos objetos de estudo? Estes foram os questionamentos propostos na edição do livro da COMPÓS deste ano, sob o título Avanços em Teorias da Comunicação no Brasil, visando acolher e devolver para a área, em conjunto, as teorias e formulações teóricas que vêm sendo desenvolvidas por diferentes estudos, novas problematizações, articulações conceituais inovadoras, qualidades diferenciais inscritas na apropriação contemporânea das teorias clássicas da área, novos desenhos e sistematizações que resultam da reflexão sobre objetos diversos e sobre a realidade inquieta e inquietante de nossos dias.

 

Formas do Telejornal: linguagem televisiva, jornalismo e mediações culturais (Prêmio Compós 2013 – Melhor Tese)
Autora: Juliana Freire Gutmann
Editora: EDUFBA
Ano: 2014

Capa-Recorte_FormasdoTelejornalO livro estuda o contínuo processo de mudança cultural do telejornalismo brasileiro, que equilibra convenções, responsáveis por tornar o telejornal um produto tão reconhecido, com novos modos de uso que originam tendências. O surgimento do repórter-persona, que encena o texto narrado, e o intenso uso de imagens amadoras são exemplos disso. A obra leva às últimas consequências o desafio de desenvolver e explorar recursos analíticos que permitam uma compreensão profunda dos produtos televisivos. A estrutura do livro subverte o formato usual dos textos científicos e não parte do quadro teórico e metodológico para aplicá-lo ao objeto empírico. No livro, o estudo dos telejornais se antecipa à apresentação do modelo de análise, de forma que resultados da pesquisa iluminam as formulações teóricas e metodológicas. A organização dos capítulos – denominados de “Marco Zero”, “Bússola”, “Trajeto”, “Território”, etc. – indica o desenho desse percurso, que buscou fazer do processo de investigação, também, experiência.

 

Outras publicações

 

A arte de envenenar dinossauros
Autor: Ciro Marcondes Filho
Editora: Casa das Musas
Ano: 2014

A arte de envenenar dinossauros é um libelo contra a ignorância. Mesmo aquela travestida de erudição, de modernidade, de high tech. Porque quando uma coisa é ruim, é ruim mesmo, não importa a posição em que está. E dessa matéria, a sociedade grassa, infelizmente… Nesta coletânea de textos, escritos em diferentes épocas e sob distintos humores, há desde o protesto veemente contra as diversas manifestações da violência nacional, a crítica ao encantamento das pessoas diante dos aparelhos e das conexões, até as elucubrações mais sutis sobre a questão da fotografia, do estético, do pensamento filosófico. Em tudo há a marca de uma prevenção contra o retorno do pensamento-réptil, que a cada momento nos espreita. Trata-se de criar antídotos contra a ignorância, a má fé, a determinação perversa de suprimir direitos civis e conquistas reais daqueles que no passado recente ainda sofriam de todo tipo de segregação e preconceito.

 

Bourdieu e os estudos de mídia: campo, trajetória e autoria
Organizadores: Rodrigo Ribeiro Barreto e Maria Carmem Jacob de Souza
Editora: EDUFBA
Ano: 2014

CAPA_BOURDIEU_CURVAA obra traz resultados de investigações de pesquisadores docentes e discentes da linha “Análise de Produtos e Linguagens da Cultura Midiática” do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Tem como propósito expandir e renovar o aporte teórico e metodológico da perspectiva do sociólogo Pierre Bourdieu para compreender os meandros e a complexidade dos fenômenos comunicacionais. A expectativa de todos os envolvidos na coletânea é a de que a leitura estimule futuras interlocuções a respeito dessa herança teórica, além de incitar experiências originais de reinvenção de conceitos e enfrentamento desses fenômenos socioculturais tão diversificados quanto complexos.

 

 

 

Cenas Musicais
Organizadores: Simone Pereira de Sá e Jeder Janotti Junior
Editora: Anadarco
Ano: 2013

Cenas musicaisA noção de cena está diretamente relacionada aos modos como certos movimentos culturais projetam mundos e rotulam afazeres musicais. Mais do que um conceito, a ideia de cena musical é uma proposição acadêmica para se entender a música em seus processos de (re)territorialização. Pensando assim, os organizadores do livro Jeder Janotti Jr-UFPE e Simone Pereira de Sá-UFF reuniram pesquisadores da rede música&comunicação para refletirem sobre a noção de cena (além de artigos dos organizadores, o livro tem contribuições de Adriana Amaral –Unisinos, Cíntia Fernandes-UERJ, Felipe Trotta–UFF, Michael Herschmann-UFRJ e Thiago Soares-UFPE). O volume, que faz parte da coleção Comunicações e Culturas da Editora Anadarco, traz ainda importante tradução de um artigo de Will Straw-McGill University, primeiro pesquisador a se debruçar sobre a noção de cenas musicais. Com essa publicação, os estudos sobre a circularidade, materialidade e reflexões críticas sobre a ideia de cenas ganha densidade nos estudos de comunicação e cultura contemporâneas em                                                                                                         língua portuguesa.

 

A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura
Autor: André Lemos
Editora: Annablume
Ano: 2014 

comunicação das coisasO objetivo deste livro é discutir a cultura digital e as novas mídias a partir da Teoria Ator-Rede (TAR). O livro apresenta aspectos teóricos e exemplos práticos, sendo composto por seis capítulos e uma entrevista com o sociólogo francês Bruno Latour, o mais importante nome da TAR. O leitor vai encontrar temas atuais analisados pela ótica dessa teoria, tais como as mídias locativas, a “internet das coisas”, os dispositivos de leitura eletrônicos, como tablets e e-readers, as redes sociais, o ciberativismo, o jornalismo, entre outros. O livro, escrito por um dos mais importantes estudiosos da cultura digital no Brasil, pode ser útil para estudantes e pesquisadores em sociologia, filosofia, comunicação, geografia, arquitetura e urbanismo, informática e áreas afins.

 

 

 

Critérios de noticiabilidade: problemas conceituais e aplicações
Organizadores: Gislene Silva, Marcos Paulo da Silva, Mario Luiz Fernandes
Editora: Insular
Ano: 2014

Critérios de noticiabilidadeEste livro, de autoria coletiva, nasce da constatação de que existe no Brasil uma carência de publicações específicas sobre o conceito de noticiabilidade e pretende contribuir para a diminuição dessa lacuna teórico-conceitual no campo acadêmico do jornalismo. Busca-se, no retrospecto da última década, recuperar e agrupar os poucos trabalhos sobre critérios de noticiabilidade encontrados dispersos ou de modo fragmentário em revisões bibliográficas, reflexões ensaísticas ou estudos aplicados. Procura-se também introduzir textos mais recentes sobre a matéria. A coletânea estrutura-se em duas partes que visam sistematizar o conjunto de perspectivas sobre o problema central: Questões conceituaisQuestões de aplicabilidade. Assim, as discussões dos conceitos que compõem o bloco inicial são complementadas por estudos aplicados de noticiabilidade.

 

 

Das coisas que nos fazem pensar: o debate sobre a Nova Teoria da Comunicação
Autor: Ciro Marcondes Filho
Editora: Ideais e Letras
Ano: 2014

Das coisas que nos fazem pensar

Este livro reúne discussões sobre a Nova Teoria da Comunicação, lançada em publicações anteriores do autor, a partir de diversos encontros e debates encadeados nos últimos anos, principalmente, acerca de temas como a qualidade do fenômeno comunicacional, a natureza do Acontecimento comunicacional (que o difere do acontecimento filosófico clássico), a questão da alteridade na comunicação, a temporalidade metapórica, os desafios do método, assim como a diferença que deveria ser estabelecida entre a nova proposta e propostas anteriores mais ou menos próximas, como a pesquisa da recepção da comunicação, a etnografia, as ciências cognitivas, a complexidade, especialmente de Edgar Morin. A publicação reproduz discussões com a participação de Luiz Signates, José Luiz Braga, Eliany Salvatierra e Lucrécia D’Alessio Ferrara.

 

 

Dicionário da Comunicação (2ª edição ampliada)
Autor: Ciro Marcondes Filho
Editora: PAULUS
Ano: 2014

 

Dicionário de comunicação: escolas, teorias e autores
Organizadores: Adilson Citelli, Christa Berger, Maria Aparecida Baccega, Maria Immacolata Vassallo de Lopes, Vera Veiga França
Editora: Contexto
Ano: 2014

Dicionário de comunicaçãoEste Dicionário de comunicação, escrito por especialistas de todo o Brasil, reúne questões e referências fundamentais. Funciona, dessa forma, como uma ferramenta valiosa para pensar a Comunicação hoje. Os 65 verbetes combinam informação e reflexão acerca dos principais autores, escolas e teorias da área. Os verbetes relativos às escolas e às teorias contextualizam a origem, os momentos mais importantes e sua evolução. Já aqueles relativos aos autores destacam os estudiosos cujas obras e ações promoveram e ainda promovem contribuições expressivas para o campo da comunicação. Este dicionário é, assim, abrangente, crítico, histórico e atento à estrutura conceitual organizativa da área. Além disso, inclui, na estrutura dos verbetes, as repercussões brasileiras, discutindo de que forma essas referências estão presentes nos estudos comunicacionais realizados no país. A obra foi concebida e sistematizada pelo Centro de Altos Estudos da ESPM.

 

Experiência Estética e Performance
Organizadores: Benjamim Picado, Carlos Camargos Mendonça e Jorge Cardoso Filho
Editora: EDUFBA
Ano: 2014

perform_expe_comp-capa.inddA coletânea é composta por textos que resultam dos debates realizados no GT de Comunicação e Experiência Estética, nos encontros anuais da Compós, e de artigos apresentados no Seminário Internacional Performance e Experiência Estética, realizado em Salvador, em 2012. A obra é resultado do intercâmbio de grupos de pesquisa dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação da UFBA, UFF e UFMG e conta ainda com trabalhos de Martin Seel, Raphael Baroni e Jean-Luc Moriceau.

 

 

 

 

 

Gêneros: um diálogo entre comunicação e linguística
Organizadoras: Lia Seixas e Najara Ferrari Pinheiro
Editora: Insular
Ano: 2014

GênerosEsta publicação é uma coletânea de artigos de importantes estudiosos do país que amplia e fomenta um diálogo entre os campos da Comunicação e da Linguística Aplicada sobre gêneros discursivo/textuais em todas as mídias. O livro está dividido em três partes: Do jornalismo e discurso jornalístico, Da ACD e abordagem sociodiscursiva e Do audiovisual e multimodais. A primeira é consagrada aos pesquisadores que se voltam mais para o campo do jornalismo, têm como base definições do jornalismo ou trabalharam mais aproximadamente com conceitos desenvolvidos nesse campo. A segunda reúne abordagens sociodiscursivas e, principalmente, a Análise Crítica de Gêneros e sua aproximação com a Análise Crítica do Discurso e a Linguística Sistêmico Funcional. A última parte congregou os pesquisadores que se dedicam a estudar a imagem e o audiovisual, com base na (sócio)Semiótica, na Teoria da narrativa, nos Estudos Culturais e na Análise de Discurso Multimodal.

 

Idiossincrasias Publicitárias
Autor: Rogerio Covaleski
Editora: Maxi
Ano: 2013

Idiosincrasias publicitáriasOs textos aqui compilados trazem novos entendimentos sobre o campo da publicidade, especialmente com reflexões sobre o que se compreende como idiossincrasias publicitárias, em sua estrutura e nos diálogos que estabelece com as artes, a estética e o consumo; e tendo como ponto de vista as aplicações da linguagem e da análise do discurso. As pesquisas contempladas nessa obra observam a construção de imagens e imaginários híbridos, a partir de um breve percurso pela história das artes e dos processos de hibridização, verificando os espaços fronteiriços e as intersecções artístico-comunicativas, repletas de confluências, de onde se vê um caminho associativo dessas formas de expressão e se nota uma linguagem em evolução. Detêm olhar sobre a diversidade cultural na publicidade brasileira, procurando identificar a configuração de uma estética publicitária regional. As investigações abordam, ainda, o discurso publicizado pelos anunciantes, recoberto de um sistema de signos, de identificação e projeção com o que se anuncia – o que constitui a própria                                                                               publicidade em produto de consumo.

 

Jornalismo para tablets: pesquisa e prática
Organizadoras: Rita Paulino e Vivian Rodrigues de Oliveira
Editora: Insular
Ano: 2013

Jornalismo para tabletsEste livro faz uma dialética entre a pesquisa e a prática do uso de conteúdo interativo na área do Jornalismo e da Comunicação. E mais importante do que aprender a prática e o processo de produção é entender as possibilidades interativas que podem tornar um conteúdo mais dinâmico e interessante. Este é o desafio para os jornalistas: conhecer as possibilidades do mundo digital e aplicar novas ideias em sua rotina de trabalho. O livro apresenta uma coletânea de artigos de alunos de pós-graduação e graduação que na prática exercitaram o processo de construção de conteúdo interativo e suas aplicações.

 

 

 

 

Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade 
Autor: Fernanda Bruno
Editora: Sulina
Ano: 2013

Máquinas de ver, modos de serNuma época que levou a visibilidade ao paroxismo, não é fácil compreender quais são os limites e as fendas de nosso campo de visão: o que vemos quando olhamos, e por quê? Difícil é identificar o que se exclui desse território em vertiginoso alargamento: o que deixamos de vislumbrar por tanto querer vigiar e mostrar, enquanto rascunhos imprevistos vão se gestando nas nervuras menos aparentes desse “regime”. O livro percorre os múltiplos aspectos de uma vigilância distribuída por redes cujos fios passam tanto por procedimentos de segurança e controle quanto por processos subjetivos, afetivos, estéticos, todos eles misturados às tecnologias por onde se inscrevem os rastros de nossas ações cotidianas. Mas se corporações e Estados monitoram avidamente nossos rastros, outras táticas disputam estas mesmas tecnologias, operando seja ações de contravigilância, seja gestos políticos e artísticos que criam brechas na exasperada busca contemporânea por visibilidade. As faces deste processo se tornam especialmente sensíveis pelo modo como a autora nos convida a percorrer a trajetória de uma pesquisa iniciada em 2003, chegando até a ponta afiada do presente. A inserção de passagens do blog que acompanha a pesquisa oferece um interessante diário de bordo que, dialogando com o texto principal, conduz o leitor na travessia por conceitos, práticas e exemplos recentes que articulam máquinas de ver e modos de ser.

 

Para entender o jornalismo
Organizadores: Bruno Souza Leal, Elton Antunes, Paulo Bernardo Vaz
Editora: Autêntica
Ano: 2014

Para entender o jornalismoEste livro faz parte de uma virada no modo de entender o jornalismo. Até recentemente, ele era pensado por meio de categorias do século passado, de teorias da informação que utilizavam um modelo de fluxo linear. Este livro subverte o modelo e propõe que pensemos o jornalismo a partir do conceito de experiência, que ocorre em uma teia de relações que se tecem e entretecem continuamente, criando e recriando mantos de significados que nos recobrem. Questiona quem produz e quem consome a notícia no mundo de hoje, indaga até que ponto o jornalismo é uma janela para o mundo. Atravessa a janela e observa o jornalismo pelo seu avesso. Revê conceitos consagrados, tais como fontes, canais, veículos, agenda, informação, atualidade, temporalidade, o fático e o fictício. Os autores não se prendem a rótulos acadêmicos e a velhas teorias. Relatam experiências pessoais, em linguagem descontraída e bem-humorada. Ilustram suas reflexões com casos vividos, histórias do cotidiano e episódios do jornalismo diário, que tornam a leitura agradável. Suscitam mais perguntas que respostas e repõem o jornalismo na complexidade que lhe é inerente.                                                                             Leitura imperdível. (Luiz Gonzaga Motta)

 

A política na timeline: crônicas de comunicação e política em redes sociais digitais
Autor: Wilson Gomes
Editora: EDUFBA
Ano: 2014

Capa_Final_PoliticanaTimeline_Curvas.inddO livro tem como objetivo analisar a comunicação utilizada nas redes sociais com foco em temas e problemas de interesse político. Para o autor, os meios digitais para redes sociais são um espaço social em que: ideias são modificadas no atrito de pensamento, interpretações são geradas e coladas à informação proveniente de outras esferas e informações são aglutinadas, ordenadas, mutiladas, aumentadas, corrigidas e distorcidas num circuito intenso, descentrado e extremamente ativo e atualizado. Este é um livro resultante da experiência de quase três anos de imersão em ambientes digitais. É, em primeiro lugar, uma crônica de alguns dos assuntos mais proeminentes no debate público nacional nos sites de redes sociais neste período. É o registro de uma reação no calor da hora, ao sabor dos movimentos das timelines das redes do autor no Facebook e no Twitter, parte da discussão pública que se realizava no momento.

 

 

O rosto e a máquina. O fenômeno da comunicação visto pelos ângulos humano, medial e tecnológico. (Nova Teoria da Comunicação, vol. I)
Autor: Ciro Marcondes Filho
Editora: PAULUS
Ano: 2013

O rosto e a máquinaO livro é o volume I da Nova Teoria da Comunicação e serve de introdução aos conceitos dessa coleção. Foi escrito de forma simplificada, para que pessoas menos acostumadas ao jargão acadêmico possam ter acesso ao que está sendo exposto. Nas antigas formas, ao se estudar a comunicação, fazia-se sociologia, ciência política, estudos antropológicos, todos eles muito importantes e necessários, mas não comunicação propriamente dita. O livro é escrito a partir da perspectiva da constituição de uma área do conhecimento própria. Esta nova obra, de certa forma, é uma atualização de duas obras anteriores: Até que ponto, de fato, nos comunicamos? e Para entender a comunicação, contatos antecipados com a Nova Teoria. Apesar de volume I, é a obra de encerramento de uma série de sete publicações da PAULUS, sob o título Nova Teoria da Comunicação.

 

 

 

Ruas e Redes: dinâmicas dos protestosBR
Organizadora: Regina Helena Alves da Silva
Editora: Autêntica
Ano: 2014

Ruas e redesEste Ruas e Redes trata de ruas, praças e boulevards de insurreição e rebeldia. Tudo recente… tudo incandescente. Começou há pouco, em Tiananmen. Varreu Sintagma, fez explodir Tahrir, revelou-se na Plaza del Sol… Em seguida passou o Atlântico e fala português. Os espaços públicos urbanos tornados tecnologia política que suporta dinâmicas de protesto social é a narrativa contida nas instigantes sete peças que compõem um livro que se lê de um fôlego. No seu conjunto, revelam uma cidade comunicante e uma gramática política renovada. Juntas, uma e outra, tornam este livro diferente de outros que, repentistas, procuraram, também eles, escrever o surto de acontecimentos iniciados em 2013. A interação da política com as tecnologias e os suportes de comunicação constitui, porém, a diferença específica deste livro. Ruas e Redes mostra, categoricamente, que não é mais possível ignorar, silenciar e tornar invisíveis as novas dinâmicas, os novos instrumentos e atores, como também os renovados lugares de fazer política. Nos espaços livres situados entre as casas que habitamos na cidade e ao redor delas…                                                                                          (Carlos Fortuna)

 

Rupturas Instáveis – Entrar e sair da música pop
Autor: Fabricio Silveira
Editora: Selo Libretos Universidade
Ano: 2013

Rupturas instáveisRupturas Instáveis reúne artigos escritos entre janeiro de 2011 e agosto de 2012, apresentados em diversos congressos do campo da Comunicação e, agora, reescritos e reagrupados em livro. Os textos analisam a produção de certos artistas pop (músicos e bandas de rock, sobretudo) que não são representantes daquele pop palatável que fomos acostumados a ouvir e a reconhecer, nas últimas décadas. São discutidas algumas experiências sonoras muito inusitadas – ora limítrofes, ora muito sutis –, levadas a cabo por Lou Reed, Napalm Death, Lightning Bolt, Radiohead e R.E.M. Como entender aquilo que ocorre às margens da música pop? Qual o nível das instabilidades e o teor das rupturas (comportamentais e, sobretudo, estéticas) a que o rock vem se propondo ao longo dos anos? A partir da Teoria das Materialidades da Comunicação, o livro trata do emaranhado universo de sons e ruídos com os quais esses artistas plantaram e cultivaram suas selvas sonoras.

 

 

Teoria e prática da crítica midiática
Organizador: Edson Fernando Dalmonte.
Editora: EDUFBA
Ano: 2014

teoria e pratica da critica-capa.inddA obra é composta por contribuições de vários pesquisadores convidados sobre o tema crítica midiática. É resultado de uma iniciativa da coordenação do grupo de pesquisa “ANALÍTICA: Crítica de mídia, Estética e Produtos midiáticos” (PósCom-UFBA/CNPq) e contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb). Apresentando diferentes enquadramentos teóricos e metodológicos, divide-se em dois eixos: aspectos teóricos da crítica midiática e análise crítica de produtos e estruturas midiáticas. A parte analítica, por sua vez, encontra-se subdividida em três tópicos: mídia digital, audiovisual e impressa.

 

 

 

 

Teorias dos meios de comunicação no Brasil e no Canadá – Volumes I e II
Organizadores: Luiz Claudio Martino, Giovandro Marcus Ferreira, Antonio Hohlfeldt e Osvando José de Morais
Editora: EDUFBA
Ano: 2013

TEORIAS-DOS-MEIOS-DE-COMUNICAÇÃO-NO-BRASIL-E-NO-CANADÁ---VOLUME-I-e-IIA obra, em dois volumes, é composta por textos apresentados no Colóquio Internacional Teorias dos Meios de Comunicação no Brasil e no Canadá que aconteceu no ano de 2012 na Universidade Federal da Bahia. Apresenta temas, opiniões e pontos de vista de um dos objetivos do Encontro, que foi o de conhecer as tendências atuais presentes nos trabalhos realizados nos dois extremos do continente americano. O Canadá é um dos raros países a serem reconhecidos por terem desenvolvido uma tradição própria de pesquisas em comunicação.

 

 

 

 

 

Universo sígnico da pirataria. Falso? Verdadeiro!
Organizadores: Clotilde Perez, Eneus Trindade, Leandro Batista, José Fogaça
Editora: Inmod
Ano: 2013

Universo_sígnico_da_piratariaEste livro condensa as contribuições dos integrantes e convidados do Grupo de Estudos Semióticos em Comunicação, Cultura e Consumo (GESC3 – CNPq e PPGCOM/USP) em investigação conduzida sobre a perspectiva do falso como verdadeiro na construção das percepções estéticas, das condutas éticas e das generalizações correspondentes às dimensões simbólicas que constituem o universo de sentidos do consumo de mercadorias de marcas pirateadas. Universo sígnico da pirataria também está disponível como e-book.

 

 

 

 

 

Vieses da comunicação: explorações de Marshall McLuhan
Autora: Irene Machado
Editora: Annablume
Ano: 2014

VIESES DA COMUNICAÇÃOConstitui uma abordagem teórica experimental das ideias sobre os meios de comunicação do ponto de vista de seus efeitos cognitivos. Trata-se de compreender, sobretudo, transformação e mudança perceptuais quando da passagem de um modo de apreensão para o outro. Nesse sentido, a obra do teórico canadense Marshall McLuhan é examinada como trabalho de um intelectual humanista que aceitou estudar os meios tecnológicos de comunicação para não perder a dimensão histórica da comunicação na cultura. Para isso, acompanha sua biografia intelectual para apreender a formação de um modo de ver os fenômenos culturais; os desdobramentos históricos a partir dos efeitos; a constituição dos ambientes de comunicação e o nascimento do espaço acústico; o papel da educação na descoberta. No final, além de rastrear as sistematizações de McLuhan sobre as leis da mídia, desenha o que seria uma ontologia dos meios fundada no movimento da informação e suas transformações em processos culturais.

 

 

E-books

 

Comunicação e Sociedade Tecnológica
Organizadoras: Lúcia Loner Coutinho e Sandra Mara Garcia Henriques
Editora: EDIPUCRS
Ano: 2013

Comunicação e sociedade tecnológicaO livro é um esforço coletivo de alunos do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da PUC-RS em abordar, dentro dos diversos vieses da pesquisa em comunicação, o tema da tecnologia em nossa sociedade e como ela tem afetado e modificado o cenário das comunicações. O e-book foi organizado dentro dos seis grupos de estudo compostos e coordenados por mestrandos e doutorandos do programa, grupos estes que buscam discutir não apenas as pesquisas individuais de seus membros, mas grandes temas de pesquisa, unindo os alunos na troca de ideias e experiências sobre o fazer científico. A obra traz artigos com assuntos que abordam diferentes aspectos das mudanças tecnológicas, desde o reflexo destas na produção audiovisual, até o engajamento e organização política via sistemas de sociabilidade, tendo como base teóricos de áreas como jornalismo, imaginário e estudos culturais, entre outros.

 

Linguagens na mídia: transposição e hibridização como procedimentos de inovação
Organizadores: Regina Rossetti e Herom Vargas
Editora: EDIPUCRS/USCS
Ano: 2013

Linguagens na mídiaColetânea de estudos que tem o intuito de tratar de questões que envolvam transposições e hibridizações na linguagem como procedimentos que podem levar ao surgimento de inovações no campo da Comunicação. Nesse sentido, a transposição de determinada obra de uma linguagem a outra pensada como ato de inovação pode levar ao surgimento de novas qualidades e propriedades que não existiam no código de partida e que são trazidas à luz no código de chegada, tal qual um processo tradutório de recriação. De forma parecida, os processos de hibridação podem resultar em inovação, na medida em que possibilitam reagirem elementos distintos quando colocados em contato ou fusão.

 

 

 

 

Neorreceptor no fluxo da comunicação
Organizadores: Arquimedes Pessoni e Priscila F. Perazzo
Editora: EDIPUCRS/USCS
Ano: 2013

NeorreceptorColetânea organizada visando à reflexão sobre o novo papel do receptor, tendo em vista as transformações sociais que perpassam a comunicação no século XXI. O advento do indivíduo na sociedade globalizada levou o campo científico ao encontro das subjetividades. O sujeito-receptor, agente de suas ações, tem um novo papel nos processos de comunicação. O neorreceptor não se apresenta mais como um objeto passivo das atenções dos estudiosos, mas coloca-se no campo social como um agente participativo e colaborativo em todo o processo de comunicação, transformando seu papel social e potencializando as possibilidades de transformação da comunidade onde se insere.