2007 - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

MESTRADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

Site: https://www.pucminas.br/pos/fca/Paginas/default.aspx

E-mail: mestradofca@pucminas.br

Telefone: (31) 3238-5664

Interações Midiatizadas

Coordenador(a)

MARCIO SERELLE (marcio.serelle@gmail.com)

Área de concentração

Interações Midiatizadas

Linha de Pesquisa

1. Mediação, imagens e narrativas
2. Processos midiatizados de interação social

Ementa da Linha de Pesquisa

1 – Mediação, imagens e narrativas

Esta linha se dedica a estudar as mediações nas múltiplas manifestações ligadas à produção discursiva em circulação pelos diversos dispositivos e meios de expressão midiáticos. Interessa como são construídos, os possíveis arranjos da linguagem, das imagens técnicas, dos discursos e das formas narrativas, bem como as lógicas dos sistemas de produção e circulação com suas repercussões sociais, políticas, éticas, estéticas e culturais no cotidiano. Valem as articulações, traduções e reconfigurações midiáticas vinculadas tanto aos meios em sua condição massiva quanto a experiências típicas das redes sóciotécnicas. Nesse último caso, examinam-se as dimensões cognitivas e subjetivas ativadas pelos usos pessoais e coletivos dos dispositivos interacionais tecnológicos. Busca-se também estudar a produção midiática ligada aos embates sociopolíticos nas dimensões identitárias, como aquelas ligadas a gênero, etnia, cor e diversidade sexual, marcadas pela ordem do sensível e da lógica da celebrização. Evidenciam-se assim, os tensionamentos típicos da alteridade, em que as narrativas das mídias são recursos simbólicos para a mediação e relação com o Outro. Em toda essa trama, investigam-se os atravessamentos da imagem, do som e da narrativa em suas dinâmicas de produção, circulação e significação. Além da especificidade técnica dos meios interessam à linha visões transversais que possibilitem análises históricas, culturais e contextuais das relações expandidas entre suportes e mídias, a partir do exame de obras e projetos em circulação. Analisa-se a lógica que permeia os sistemas de produção e circulação, buscando compreender as relações estabelecidas entre os sujeitos criadores-realizadores, a instância crítico-interpretativa, as audiências e os processos de distribuição (a articulação entre a radiodifusão, sistemas de comunicação segmentada, redes, streaming etc). Marcam-se aqui as relações entre esses fenômenos e episódios comunicacionais e as novas dinâmicas do capitalismo. Isso repercute nas formas comunicacionais afetando a visibilidade dos sujeitos. Estudam-se assim as dimensões do tempo, da memória e o espaço biográfico contemporâneo constituídos por múltiplas narrativas midiáticas.

2 – Processos midiatizados de interação social

Esta linha de pesquisa concebe a Interação em suas múltiplas dimensões na sociedade midiatizada: um processo comunicacional constitutivo da sociabilidade e experiência humana, modulado por fatores socioculturais, político-econômicos, tecnológicos, institucionais e organizacionais. Tal perspectiva se constrói a partir das interações entre seres humanos, máquinas, culturas e sociedade em processos constantes de troca e mediação. A noção que articula a interação à midiatização da vida social ancora-se em uma perspectiva que vai além da comunicação mediada pelos aparatos técnico-midiáticos, e considera também a dimensão presencial de interações. Isto é, a midiatização é entendida como processo interacional que compreende desde a forte presença dos dispositivos midiáticos e tecnológicos na sociedade a contextos em que não estamos em contato direto com eles. Nesse espectro, a interação midiatizada articula-se às várias outras lógicas “socioculturais, políticas, setoriais, institucionais, entre outras”, configurando-se, sobretudo, como processo de produção e circulação de sentidos, em fluxos comunicativos. Daí, a ocorrência de diversas dinâmicas interacionais que resultam em respostas e críticas sociais pontuais ou abrangentes acerca dos conteúdos e processos midiáticos. Sob essa ótica, a interação é compreendida como um processo dinâmico, uma vez que é acionado pelos indivíduos, grupos, comunidades, movimentos e instituições seja para compartilhar experiências guiadas por regras e padrões , seja para transformar e produzir mudanças de sentido em suas práticas socioculturais e comunicacionais. É importante não perder de vista a emergência de uma cultura participativa na sociedade contemporânea a partir de experimentações criativas e críticas em relação ao sistema produtivo comunicacional hegemônico. Nessa perspectiva, a linha Processos midiatizados de Interação social aciona eixos de investigação, que podem abrigar trabalhos como metapesquisa em comunicação, que desenvolve investigações sobre matrizes teóricas, conceituais e metodológicas, assim como as interfaces do campo da comunicação com outros saberes; comunicação no contexto das organizações, que estuda interações inseridas em estruturas e conjunturas políticas, econômicas e culturais, e pressupõe o reconhecimento da sociabilidade – interlocução em que as subjetividades, identidades e alteridade se apresentam, se enfrentam e dialogam; e processos comunicacionais em interface com as experiências culturais na contemporaneidade, com ênfase em diversidade.